Tamanho do texto

Sedã terá vida cada vez mais complicada pela frente com a chegada de novos concorrentes de peso, entre os quais o novo Chevrolet Onix Sedan

Honda City LX branco
Carlos Guimarães/iG
Honda City LX: versão intermediária do sedã compacto vem com rodas de aro 16 e luzes diurnas entre os itens de série

Parecem não estar ligando muito para o sedã Honda City no Brasil. No segmento de sedãs compactos mais caprichados, o modelo da marca japonesa só fica na frente do Chevrolet Cobalt, de acordo com o ranking de vendas da Fenabrave (Federação dos Distribuidores de Veículos). Com 5.410 unidades vendidas entre janeiro e abril, o City fica bem atrás do líder VW Virtus, que vendeu 13.246 unidades no mesmo período.

 LEIA MAIS: Chevrolet Onix Sedan aparece do jeito que será vendido no Brasil

Passando alguns dias com a versão intermediária do Honda City ficou claro que, embora o carro tenha lá suas qualidades, os pontos contra são maioria. Já começa pelo preço sugerido: R$ 74.600. Pois é, quase R$ 75 mil para um algo que não vem com central multimídia, apenas dois airbags (obrigatórios por lei) e sem controles eletrônicos de estabilidade e tração.

Para uma versão que está no meio da gama, faltou um pouco mais de capricho no acabamento. Os bancos são de tecido, há plástico duro no painel e revestimento no volante, que conta apenas com os comandos do som, simples, com uma singela entrada USB (embutida no próprio aparelho) e Bluetooth.  

Na lista dos principais itens de série, o City LX tem faróis com luz diurna de LED, vidros elétricos nas quatro portas com comando do tipo um toque para subida e descida, bem como rodas de aro 16.  Há também direção com asisstência elétrica, ancoragem ISOFIX para cadeiras infantis e volante com regulagem de altura e profundidade.

Ao volante do Honda City

Painel do Honda City
Divulgação
No painel do Honda City LX vem apenas um sistema de som simples, que não é central multimídia

 Acelere o sedãzinho e vai reconhecer de cara o motor 1.5 flex, de 116 cv, que não empolga mesmo, com seus razoáveis 15,3 kgfm de torque atingidos em altos 4.800 rpm, o que exige acelerar para conseguir alguma disposição para ultapassagens.

 LEIA MAIS: Toyota Yaris Sedan encara o rival Honda City

Mesmo que tardia, a resposta chega, mas até lá o nível de ruído foi para as alturas. O jeito é ter paciência e lembrar que a pegada do City é mais pacata. De acordo com dados da fabricante, o sedã da Honda acelera de 0a 100 km/h em longos 11,2 segundos e atinge 175 km/h.

A parte que agrada no City é que a suspensão está bem acertada. Consegue manter o carro estável nas curvas, apesar dos pneus estreitos (185/55R 16), além de absorver bem as irregularides do piso. Ponto positivo também para os freios, que se mostram eficientes, lembrando que os traseiros são a tambor, assim como os principais concorrentes.

Na questão de espaço, o Honda City também se sai bem. Leva cinco ocupantes em aperto e nada desprezíveis 536 litros no porta-malas. Entretanto, voltamos à questão de falta de capricho, já que a parte interna da tampa vem sem revestimento. E o estepe é do tipo temporário, feito para não passar dos 80 km/h, o suficiente para conseguir chegar até o borracheiro.

LEIA MAIS:  Fiat Cronos enfrenta VW Virtus, ambos com câmbio manual

Contanto que você siga o ritmo mais comportado que o Honda City gosta de andar, terá como recompensa um consumo relativamente baixo e um nível de ruído bem civilizado. Conforme as informações do Inmetro, o sedãzinho é capaz de fazer 12,3 km/l de gasolina na cidade e 14,5 km/l na estrada, números que passam para 8,5 km/l e 10,3 km/l com etanol, respectivamente.  

Conclusão

O Honda City vendido no Brasil precisa de novidades para ganhar apelo diante dos atuais e novos rivais que virão por aí, como o Chevrolet Onix Sedan, que estreia no fim do ano.  Por enquanto, se quiser um sedã compacto mais caprichado, pense num VW Virtus ou no Toyota Yaris Sedan.

Ficha técnica

Preço:  a partir de R$ 74.600

 Motor: 1.5, quatro cilindros, flex

Potência : 116 cv (E)/115 cv (G) a 6.000 rpm

Torque: 15,3 kgfm (E) / 15,2 (G) a  4.800 rpm

Transmissão:  Automático, CVT, tração dianteira

Suspensão:Independente (dianteira e traseira) 

Freios: Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira

Pneus: 185/55 R16 

Dimensões: 4,46 m (comprimento) / 1,70 m (largura) / 1,49 m (altura), 2,60 m (entre-eixos)

Tanque : 46 litros

Porta-malas: 536 litros 

 Consumo: 12,3 km/l (cidade) /14,5 km/l (estrada) com gasolina

0 a 100 km/h: 11,3 segundos 

Vel. Max: 175 km/h