Tamanho do texto

Confira as impressões ao volante do modelo que deverá corresponder a 20% das vendas do Cayenne em todo o mundo, com motor 3.0 V6 de 340 cv

Porsche Cayenne Coupé arrow-options
Cauê Lira/iG Carros
O Porsche Cayenne Coupé 3.0 V6 fica ainda mais extravagante com a cor "laranja lava'

Apesar do legado esculpido pelos esportivos ao longo dos 90 anos de história da Porsche, os SUVs já correspondem a 70% das vendas da marca em todo o mundo. Atualmente, o Macan é o best-seller , seguido pelo Cayenne. Os consagrados 911, Boxster, Cayman e Panamera, somados, representam os outros 30%.

LEIA MAIS: Mini Countryman SE híbrido: pequeno irreverente que liga na tomada

Com os resultados, a Porsche iniciou um processo de “aproximação” dos veículos utilitários com os esportivos. Bom exemplo disso é o Macan GTS, capaz de atingir 100 km/h em míseros 5 segundos - ignorando as quase duas toneladas de seu corpanzil. Neste contexto, o Cayenne Coupé é o novo capítulo dessa história que ainda terá muitas páginas durante a década.

Várias coisas me cativaram no Cayenne Coupé 3.0 V6. Para começar, o carro não parece um SUV emulado pela Porsche, mas sim um “Porsche legítimo”. Não importa o quanto você olhe para o Lamborghini Urus, ele sempre será um SUV do Aventador; e o mesmo pode ser aplicado ao Bentayga, que não esconde sua cara de Continental.

O Cayenne Coupé não tenta se passar por um 911 , ele é do jeito que é. Definitivamente, isso será um critério de compra para os endinheirados dispostos a desembolsar R$ 459 mil por ele. A marca diz que a versão Coupé deverá corresponder a 20% dos emplacamentos.

Já que estamos falando de cifras, vale dizer que a versão Coupé é R$ 20 mil mais cara que a carroceria convencional. É um valor até que razoável, considerando que não se trata apenas de um Cayenne com uma queda mais acentuada na traseira. Segundo a Porsche, só a parte dianteira do Coupé foi importada do Cayenne normal - da coluna A para trás, é um carro totalmente novo.

Por conta da nova estrutura, o parabrisa precisou ser reposicionado. O Coupé também ficou um pouco mais largo que o modelo convencional para a adoção dos novos parachoques mais robustos. O bom porta-malas de 770 litros da versão convencional foi afetado, caindo para 625 litros no Coupé. Se você escolher a versão o sistema de som de grife, perderá mais 25 litros por causa do subwoofer.

LEIA MAIS: Será que o novo Range Rover Evoque é capaz de manter o "hype"?

Em todo o resto, ele é um Cayenne como já conhecemos. A central Communication Management traz tela de 12 polegadas com ótima resolução, contando também com os recursos do Porsche Connect com sistema de navegação online. Como o Cayenne Coupé já traz as entradas USB tipo “C”, não consegui conectar meu iPhone sem um adaptador.

Como o parabrisa foi reposicionado e a traseira rebaixada, a Porsche precisou compensar algumas medidas do Cayenne Coupé. O banco traseiro está um pouco mais baixo para evitar que o passageiro raspe a cabeça no teto, e ainda há bom espaço para os joelhos. Quem vai atrás também poderá escolher a temperatura e intensidade do vento do ar-condicionado.

Laranja mecânica

É no assento do motorista que os alemães fazem sua mágica. Quem conhece a marca poderia entrar vendado em qualquer veículo e identificar que está num Porsche. O volante multifuncional é encorpado e remete ao 911, enquanto o painel horizontalizado tenta acrescentar uma aura um pouco mais tecnológica.

Apesar da casca esportiva, o Cayenne Coupé precisa ser versátil para rodar na cidade. O arranjo de suspensão independente multilink nos dois eixos está mais rígido, mas nada que comprometa sua condução nas ruas esburacadas. A direção é bem direta e sensível, proporcionando curvas “nos trilhos”. Sua dirigibilidade muda bastante de acordo com o seletor de modo de condução - que traz as funções Normal, Sport e Sport Plus.

Porsche Cayenne Coupé arrow-options
Divulgação
Você nunca verá um Porsche com conta-giros digital; de acordo com regras internas, a peça deve ser analógica

É nas retas que o Cayenne Coupé revela que é um Porsche. Apesar do câmbio não ser do tipo PDK, o sistema que gerencia a unidade automática de oito velocidades faz um bom papel ao “simular” suas características.

Ou seja, com o pé embaixo no acelerador no modo Sport Plus, o Cayenne Coupé ainda dará os solavancos dos modelos automatizados. O motor 3.0 V6 pode desenvolver 340 cv de potência entre 5.300 e 6.400 rpm, além de bons 45,9 kgfm de 1.340 a 5.300 rpm. De acordo com a marca, o SUV pode atingir 100 km/h em 6 segundos, nada exepcional, mas que garante ultrapassagens rápidas e deve animar seu dia. 

LEIA MAIS: Jeep Renegade Trailhawk 2020: para entrar na lama com estilo

A Porsche parece ter feito o SUV-cupê de luxo definitivo. Ele é melhor que o Audi Q8 ? Sim. É mais legal que um BMW X6 ? Sem sombra de dúvidas! O Cayenne Coupé ressignificou os paradigmas do que esperamos de um utilitário esportivo, ainda que o “irmão” da marca das quatro argolas seja mais tecnológico e futurista. 

Ficha Técnica
Motor: 3.0, V6, gasolina
Potência:  340 cv de potência entre 5.300 e 6.400 rpm
Torque: 45,9 kgfm de 1.340 a 5.300 rpm
Câmbio: automático, oito marchas
Suspensão: independente multilink (dianteira e traseira)
Freios: discos ventilados na dianteira e traseira, com ABS
Dimensões: 4.931 mm de comprimento  1.983 mm de largura, 1.676 mm de altura,  2.895 mm de entre-eixos
Porta-malas: 625 litros
0 a 100 km/h: 6 s