Complexo no interior paulista irá fabricar 180 mil motores por ano. Planos para motor do Corolla foram cancelados.

Fábrica da Toyota em Porto Feliz (SP), responsável pela produção dos motores 1.3 e 1.5 do Etios.
Divulgação/Toyota
Fábrica da Toyota em Porto Feliz (SP), responsável pela produção dos motores 1.3 e 1.5 do Etios.

A Toyota inaugurou a fábrica de motores em Porto Feliz (SP), onde são produzidas as unidades que equipam o Etios 2017 . Foram investidos R$ 580 milhões para erguer o complexo, atendendo as exigências do programa Inovar-Auto de eficiência energética e nível de nacionalização dos carros brasileiros.

Embora o evento só tenha acontecido agora, a fábrica já estava trabalhando a todo vapor, para suprir a demanda com o lançamento da linha 2017 do Etios – já falamos sobre o lançamento do modelo e o que achamos da versão de entrada X com motor 1.3. A capacidade de produção é de 108 mil motores/ano, exatamente a mesma que a fábrica em Sorocaba (SP), responsável pelo Etios . Isso segue o famoso sistema da Toyota , de produzir apenas o necessário e de acordo com a demanda.

Essa filosofia de produção mais contida levou a uma mudança nos planos da fabricante. A ideia era que o complexo, em um segundo momento, também produzisse o motor do Corolla. Com a crise no mercado automotivo, desistiram da estratégia, cancelando também os planos de aumentar o volume do Etios e fabricar mais unidades do Corolla em Sorocaba (SP).

Os novos motores 1.3 e 1.5 são mais modernos. Agora contam com bloco e cabeçote de alumínio, pistões redesenhados, duplo comando variável de válvulas na admissão e escape (Dual VVT-i) e aumentaram a taxa de compressão de 12,1:1 para 13,1:1. Descartaram o tanquinho de partida a frio, com a adoção de um sistema de pré-aquecimento do combustível nos bicos injetores.

O resultado é que o 1.3 gera 98 cv a 5.600 rpm (antes tinha 90 cv) e 12,8 kgfm de torque a 4.000 rpm, enquanto o 1.5 chega nos 107 cv a 5.600 rpm (contra 96,5 cv do anterior) e 14,4 kgfm de torque a 4.000 rpm, ambos com etanol. Combinados com o novo câmbio manual de seis marchas, o consumo caiu 9% no 1.3 e 11% no 1.5.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.