Com preços até 40% menores, Seguro Auto Popular finalmente sai do papel. Entenda como funciona a novidade e se vale a pena fazer uma apólice

O Seguro Auto Popular usa peças genéricas ou seminovas para reposição, desde que não seja um item de segurança como freios, suspensão e airbags.
Divulgação
O Seguro Auto Popular usa peças genéricas ou seminovas para reposição, desde que não seja um item de segurança como freios, suspensão e airbags.

Aprovado desde abril de 2016, o Seguro Auto Popular finalmente começa a funcionar, embora apenas na Grande São Paulo e oferecido por poucas empresas. A proposta criada pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), possui regras para que as seguradoras possam oferecer um tipo diferente de seguro, com preços que ficam entre 30% e 40% menores do que uma apólice normal.

LEIA MAIS:  Valor do seguro dos 10 carros mais vendidos do Brasil varia bastante

Há anos as seguradoras pedem pela possibilidade de lançar uma modalidade de seguro mais barato, como uma forma de atrair novos clientes. A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais estima que 70% dos veículos no Brasil não tenham nenhum tipo de seguro. É esse público que o Seguro Auto Popular quer conquistar, oferecendo uma alternativa baixo-custo que caiba no orçamento.

Por enquanto, apenas a Azul, braço da Porto Seguro, oferece um produto dentro dessas regras, chamado “Auto Leve” e com a promessa de custar até 30% menos. Outras empresas se preparam para entrar no segmento, como Tokio Marine e BB Mapfre. A SulAmérica tem um produto que parece ser o mesmo, chamado “Auto Compacto”, mas que não se encaixa nas regras.

LEIA MAIS:  Saiba quanto custa o preço do seguro dos 10 carros mais vendidos do Brasil

O que é?

O Seguro Auto Popular oferece coberturas muito mais baratas do que uma apólice comum, com valores entre 20% e 40% menores. Para atingir esses preços, o Susep criou regras para reduzir os custos de reparo e peças de reposição. Qualquer carro pode ser segurado dentro dessa modalidade, porém ele foi criado pensando em veículos com mais de cinco anos de uso – o “Auto Leve” da Azul exige que o segurado tenha data de fabricação a partir de cinco anos e avaliados até R$ 60 mil.

Por que é mais barato?

O pulo do gato para reduzir os preços do Seguro Auto Popular é o conjunto de regras que permite o uso de peças usadas ou genéricas para reparo, enquanto os seguros convencionais são obrigados a utilizar apenas peças originais das fabricantes. Obviamente, não vale usar qualquer peça, ela tem que estar dentro das especificações técnicas da fabricante do veículo, para evitar o uso de equipamentos de baixa qualidade.

Segurança é a palavra-chave para definir quando é possível ou não usar uma peça genérica. Qualquer componente que envolva um item de segurança do veículo, como freios, airbags, suspensão, pneus e cintos de segurança, não pode ser substituído por uma peça seminova ou fabricada por outra empresa que não a fabricante do veículo. Vidros também ficam de fora, por possuírem gravações dos números dos chassis.

Outra forma de baratear as apólices foi usar a estratégia dos planos de saúde, exigindo que o segurado faça o reparo em uma oficina credenciada como teríamos que procurar um hospital que aceite o seguro. Para a oficina, funciona da mesma forma que para um médico que atenda pelo plano de saúde, cobrando um valor menor para ganhar em volume pelo aumento de clientes. Isso elimina o problema que as seguradoras tinham em reembolsar o cliente após ele levar o carro em uma oficina de sua escolha. Porém, o uso da lista de oficinas credenciadas é uma opção, assim como o uso de peças não-originais. Se o cliente recusar, o seguro ficará mais caro.

LEIA MAIS:  Os 10 carros mais roubados. E quanto custa, em média, o seguro de cada um deles

Vale a pena?

A resposta curta é: Sim, vale a pena, já que o preço é muito menor e o uso de peças genéricas é comum em oficinas. Só é uma oferta ruim para quem tem um veículo novo, que ainda está na garantia – em caso de reparo, usar peças seminovas ou genéricas irá comprometer a garantia de fábrica. Algumas empresas já se prepararam, com regras quanto a idade do carro segurado, mas fique atento no caso de empresas que oferecem mais tempo, como a JAC Motors e seus seis anos de garantia. Pode ser melhor negócio para quem tem um automóvel de maior idade. A Azul, por exemplo, dá uma condição especial para veículos que tenham entre 11 e 20 anos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.