Tamanho do texto

Visitamos um dos espaços imperdíveis para fãs de automobilismo. Confira!

Os museus guardam um tesouro bastante valioso para quem gosta de conhecer o passado: a história. Não custa lembrar que conhecer bem a história nos permite não repetir alguns erros cometidos e refletir para novas decisões que afetarão os rumos do nosso futuro. No caso dos museus automotivos a ideia se repete. E na Europa, em especial na Alemanha, encontramos pelo menos quatro museus imperdíveis para quem gosta de carro. O da BMW, em Munique, Volkswagen, em Wolfsburg, e dois situados em Stuttgart, o da Porsche e o Museu da Mercedes-Benz.

LEIA MAIS: 1.4 Turbo e 1.5 R: aceleramos as duas versões mais apimentadas do Fiat Uno

Recebi o convite da Mercedes-Benz Caminhões para cobrir o IAA 2018, em Hannover, a maior feira de veículos pesados do mundo. E também visitar a fábrica de caminhões de Wörth, onde são produzidas 400 unidades por dia e existe a possibilidade de customização dos veículos na linha de montagem. É algo impressionante. Mas o primeiro dia foi destinado a conhecer o Museu da Mercedes -Benz.

LEIA MAIS: Uno personalizado traz mecânica de moto esportiva. Confira o vídeo!

Logo de cara chama a atenção o edifício moderno, com um quê futurista e cheio de personalidade. O projeto foi feito por um holandês que decidiu abordar o conceito de "dupla-hélice", e mescla modernidade do estilo com a riqueza histórica de seu interior.

LEIA MAIS: Conheça o valente VW Fusca que desbravou por duas vezes a Transamazônica

Um pouco mais sobre o Museu da Mercedes

O emblemático W196 marca presença no Museu da Mercedes-Benz
Divulgação
O emblemático W196 marca presença no Museu da Mercedes-Benz

O amplo espaço é dividido em segmentos específicos. Sabemos que a marca alemã inventou o automóvel. E não apenas isso. Por ali temos motocicletas, um aeroplano e a sequência de criações na área de caminhões e motores, com destaque para um propulsor boxer, anos antes de Ferdinand Porsche.

LEIA MAIS: Um Ford Escort RS Turbo no Brasil? Confira o vídeo

Seguimos descobrindo como o automóvel foi se tornando algo apaixonante e essencial em nossas vidas. E não apenas no sentido de ser um meio de transporte. O caminho em caracol nos leva aos veículos de serviço, caminhões clássicos – como o Transporter dos anos 50 – e também à parte de celebridades, com o papa-móvel e o SL 500 que pertenceu a Princesa Diana.

LEIA MAIS: BMW Z3 se tornou referência entre os roadsters modernos. Confira o vídeo

Por fim a imagem mais famosa do Museu da Mercedes , que traz os carros de corrida que fizeram a fama da marca no automobilismo mundial. Flechas de prata, caminhões, ícones da DTM e Fórmula 1 (onde ostenta seis títulos do mundial de pilotos e oito de construtores). Tudo isso você confere na matéria de hoje. E uma dica: vá pessoalmente quando tiver uma oportunidade. O museu disponibiliza tradutores em diversas línguas, recebendo mais de 800 mil pessoas em um único ano, conforme a própria Mercedes-Benz. Após o tour, vale a pena conhecer a fábrica de motores de Untertürkheim, que está localizada nas proximidades do prédio. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.