Tamanho do texto

Criado em 1999, o nicho de carros aventureiros se mantém firme, fortalece o nome CUV e terá novidades da Fiat e da Volkswagen

Projeção antecipa detalhes de como deverá ficar o Fiat Argo Trekking,  novidade entre os carros aventureiros
Kleber Silva
Projeção antecipa detalhes de como deverá ficar o Fiat Argo Trekking, novidade entre os carros aventureiros

Depois dos SUVs, os CUVs do Fiat Argo e do Volkswagen Polo vão invadir sua praia. Eles são apenas dois dos carros aventureiros que virão por aí. Na verdade, os CUVs já existem há bastante tempo: são os Crossovers Utilities Vehichles.

LEIA MAIS: VW T-Cross vai abalar a prova dos 9 dos SUVs

A diferença é que antes os SUVs que não tinham o DNA de utilitários eram chamados de crossovers, mas agora os carros aventureiros estão sendo “promovidos” para essa categoria. Independentemente do nome que tenham, o fato é que não passam de versões aventureiras de hatches, sedãs, peruas ou picapes que já estão no mercado.

 O Fiat Argo “CUV” ou aventureiro deverá utilizar o bom motor 1.3 Firefly e um câmbio automático de seis marchas. Já é uma boa notícia saber que ele não virá com o câmbio GSR (automatizado de embreagem simples) usado atualmente nas versões 1.3 da Fiat.

A maior distância livre do solo será uma das diferenças do Fiat Argo que fará parte dos novos carros aventureiros
Kleber Silva
A maior distância livre do solo será uma das diferenças do Fiat Argo que fará parte dos novos carros aventureiros

O projeto chama-se X6HX.  Pelo que já se sabe, o carro terá suspensão elevada em 3 cm, segundo o site Autos Segredos, chegando a bons 17,9 cm de altura do solo. Já sobre Polo “CUV” ou aventureiro não existem muitas informações, mas a Volkswagen costuma ser menos ousada do que a Fiat nesse segmento.

História dos carros aventureiros

Fiat Palio Weekend Adventure foi o primeiro integrante do segmento de carros aventureiros, a partir de 1999
Divulgação
Fiat Palio Weekend Adventure foi o primeiro integrante do segmento de carros aventureiros, a partir de 1999

 Desde que a Fiat lançou o Palio Adventure, em 1999, esse tipo de carro faz sucesso no mercado brasileiro. O Palio Adventure foi a primeira tentativa de dar a um carro razoavelmente acessível o estilo dos precursores Volvo Cross Country e Audi Allroad, que eram muito caros.

LEIA MAIS: Tiggo 2, 4 e 7 mostram que o rei dos SUVs ataca novamente

O Audi Allroad trazia tração 4×4 e proteção de plástico nas caixas de rodas e nos para-choques. A carroceria tinha maior distância do solo do que a de modelos normais. Os pneus eram de uso misto. Também havia bússola e inclinômetro.

 Com o Palio Adventure, a Fiat testou a fórmula em um carro com tração dianteira. Foi seguida por vários fabricantes. Mas a grande sacada foi da Ford com o EcoSport. O carro nada mais era do que um Fiesta.

Entretanto, a Ford aumentou bastante a distância do solo, introduziu os aparatos de aventura e posicionou o estepe do lado de fora do veículo. Os consumidores viram no EcoSport uma miniatura de SUV. A Volkswagen foi atrás e lançou o CrossFox, também com o estepe do lado de fora.

LEIA MAIS:Ford Ka FreeStyle tentará repetir a história de sucesso do EcoSport

 Não demorou muito, porém, para que os estepes voltassem para dentro do carro. Isso não era um problema nos enormes SUVs, mas era para modelos compactos. Percebendo que os consumidores quase não usavam os aparatos de aventura, a Volks manteve o estepe externo no CrossFox, mas lançou outros dois carros com o estilo aventureiro (e com os estepes dentro do porta-malas): Gol Rallye e SpaceCross.

VW Gol Rallye também faz parte dos carros aventureiros que mais fizeram sucesso no Brasil nos últimos anos
Divulgação
VW Gol Rallye também faz parte dos carros aventureiros que mais fizeram sucesso no Brasil nos últimos anos

 A Fiat seguiu fiel à ideia inicial. Seus carros aventureiros mantiveram os grandes protetores de caixas de roda, a bússola, o inclinômetro e o grafismo diferenciado do quadro de instrumentos. Várias outras versões Adventure surgiram, na picape Strada, no Doblò, no Idea e até no Uno (batizado de Way e não de Adventure). Depois a Fiat adotou o sistema Locker para que o carro pudesse atravessar atoleiros em linha reta.

A Volkswagen foi em direção oposta: eliminou até as proteções de plástico das caixas de rodas, substituindo-as por uma faixa preta colada nas bordas da carroceria. O interior também foi modificado e os carros aventureiros da marca passaram a ser exatamente iguais aos demais.

 CUVs ou crossovers, eles têm bom mercado

Chery Tiggo 2 é um SUV compacto, mas também faz parte do grupo de carros aventureiros que temos no Brasil
Cauê Lira/iG Carros
Chery Tiggo 2 é um SUV compacto, mas também faz parte do grupo de carros aventureiros que temos no Brasil

 Atualmente, versões aventureiras nada mais são do que carros com visuais diferentes e com 2 cm mais altos. Às vezes, nem isso. Os carros aventureiros existem porque muitas pessoas gostam de “parecer” ter uma vida cheia de aventura, e não necessariamente porque precisam de certos equipamentos.

Nesse ponto, as chinesas JAC Motors e Caoa Chery foram até além, pois transformaram carros que eram hatches na origem no que são hoje o T40 e o Tiggo2. Tecnicamente, esses carros seriam crossovers ou CUVs, mas ganharam o status de SUVs, como tantos outros.

LEIA MAIS: Por que o Compass é o carro mais desejado do Brasil

 Os números desse mercado de carros aventureiros nunca são abertos pelas montadoras. Eventualmente, uma ou outra divulga um esboço do ranking. Mas é um mercado de 400 a 600 carros/mês para os líderes, como o Chevrolet Onix Active, o Hyundai HB20X e o Renault Sandero Stepway. É nesse jogo que a Fiat e Volkswagen vão entrar com os “CUVs” do Argo e do Polo.

Projeções: Kleber Pinho da Silva