Tamanho do texto

Novidades estreiam tecnologias que estarão nas futuras Intruder 155 e 125, além da Burgman 125. Ainda assim, são projetos de baixo custo

Suzuki Intruder arrow-options
Divulgação
Novas Suzuki Intruder são mais modernas, estilosas e equipadas do que as que foram vendidas no Brasil

A Suzuki mostrará as novas Intruder 250 e a Burgman 180. Previstas para chegar ao mercado em 2020 e 2021, respectivamente, as novidades trazem as tecnologias apresentadas no Salão de Milão (EICMA), inclusive na V-Strom, que virá ao Brasil até o fim do ano que vem. Dentro de alguns meses, veremos, também, a divulgação da nova Intruder 155, antes da fabricante confirmar se também vão produzir a versão 125 e o Burgman 125 em 2021.

LEIA MAIS: Veja 7 novidades do Salão de Milão que serão lançadas no Brasil

Suzuki Burgman arrow-options
Divulgação
Enquanto a Haojue Lindy é a velha Burgman, a nova scooter surge assim

O design e o estilo da nova Suzuki Intruder 250 serão completamente diferentes da esportiva Gixxer SF 250. Com proposta mais urbana, é pensada para oferecer uma postura mais confortável para o condutor, devido ao assento mais baixo, braço oscilante mais longo na suspensão e pedaleiras posicionadas mais à frente. Entre outras novidades, traz painel de instrumentos de LCD e farol de LED.

LEIA MAIS: Nova geração da Suzuki V-Strom é revelada, com novo visual e mais tecnologia

Suzuki Burgman arrow-options
Divulgação
Scooter rivalizaria diretamente com o Honda PCX e o Yamaha NMax

Para o scooter Suzuki Burgman , o motor de 180 cc é pensado para oferecer custos reduzidos, tal como os outros, que futuramente chegarão em menor cilindrada. Com isso, terá um cilindro e refrigeração a ar, mas com o sistema de injeção eletrônica. Os demais equipamentos incluem farol de LED completo, console de instrumento digital, grande armazenamento sob o assento e um porta-luvas na frente e freios ABS.

LEIA MAIS: Veja 5 opções de motos seminovas, a partir de 2016, por até R$ 10 mil

Virão ao Brasil?

Suzuki Intruder arrow-options
Divulgação
Apelo esportivo e tecnologias de nova geração são exatamente o que os motociclistas brasileiros procuram

Muito possivelmente não. Isso porque, desde que o Grupo J. Toledo — responsável por trazer a Suzuki ao Brasil — assumiu as operações da chinesa Haojue em 2016 — marca de baixo custo da Suzuki, que utiliza componentes mecânicos em suas motos — apenas modelos maiores e mais caros restaram no lineup da fabricante japonesa. Será que a Haojue não poderia adotar as novas tecnologias para as futuras gerações de seus modelos?

LEIA MAIS: Nova Haojue DK 160 chega ano que vem para concorrer com a Honda CG 160

Suzuki arrow-options
Divulgação
Burgman Executive 650: com grande porte, é o único scooter ainda vendido pela Suzuki no Brasil

O modelo mais em conta da Suzuki motos à venda atualmente é a naked esportiva GSX-S750A (R$ 37.785), e a mais cara é a GSX R1000 (R$ 68.984). Para se ter uma ideia, a única Burgman que sobrou foi a 650 Executive, que sai por R$ 55.893 — o mesmo preço da “estradeira” Boulevard M1800R, a moto com o maior motor no mercado de novos. Agora, a Suzuki Intruder 125 extinta em 2016, virou a Haojue Chopper Road 150 (R$ 7.987), enquanto a Burgman 125 tornou-se a Lindy 125 CBS (R$ 6.990).