Tamanho do texto

Saber como funciona o mercado é chave para não encalhar ou sair perdendo. De acordo com especialista, um carro vale quanto o comprador acha que vale

É preciso ficar atento a alguns itens para poder chegar ao valor de revenda do seminovo com boa margem de precisão
Divulgação
É preciso ficar atento a alguns itens para poder chegar ao valor de revenda do seminovo com boa margem de precisão

Com a proximidade do Salão do Automóvel 2018, economia que poderá mostrar algum sinal de recuperação e o início da reestruturação no setor automotivo, resta uma esperança de dias melhores. São fatores que prometem aquecer o mercado de automóveis no Brasil em 2019. Com isso, vale refletir sobre como determinar o valor de revenda do seminovo, para o dia que quiser abrir uma vaga na garagem para outro (mais) novo.

LEIA MAIS: Confira 5 itens que desvalorizam o carro na hora da revenda

Quem for negociar sem saber qual é o valor de revenda do seminovo que tem, costuma servir de prato cheio para profissionais desesperados com a crise econômica e as vendas de automóveis que se arrastam há anos. Logo, a tendência é que eles queiram ajudar a si mesmos e não a quem os procura. Portanto, o melhor é se precaver quando o assunto for  vendas de carros. Só depois tente bater o seu martelo.

Para tirar toda e qualquer dúvida sobre o assunto, entrevistamos o empresário Leonardo Macedo, experiente em compra e venda de automóveis.  Segundo ele, tudo se resume em comparar o próprio carro com outros semelhantes anunciados à venda. Para ele, o quanto os outros pedem é o ponto de partida para o quanto você deve pedir, com variações de acordo com os itens a seguir.

LEIA MAIS: Veja 5 dicas para não perder (muito) dinheiro na hora de vender seu usado

1- Ano/Modelo

Além de confirmar a tendência de depreciação durante a avaliação pelos lojistas, o especialista afirma que eles podem, inclusive, seguir lógicas deturpadas. Uma delas é afirmar que, por exemplo, o simples fato de um carro ser ano 2012 e modelo 2013 fará com que tenha um valor menor que outro exemplar idêntico, mas 13/13. Por isso, vale lembrar que o importante é o  modelo dentro de qualquer comércio de veículos .

LEIA MAIS: 5 dicas para não ser enganado na hora de comprar um carro usado

2- Valor da Fipe

Outra questão polêmica entre compradores e vendedores é a tabela Fipe. “Carro vale o que o consumidor acha que vale. Numa situação em que você está pedindo R$ 40 mil pelo seu carro porque é o que está na Fipe, se há outro anunciante com exatamente o mesmo veículo pedindo R$ 35 mil, esqueça, considere o seu valor”, afirma o especialista.

A razão para isso, ainda segundo Macedo, deve-se, principalmente, às condições financeiras em que compradores e vendedores se encontram. Enquanto o poder de compra médio das pessoas não cobrem o valor da Fipe, há vários vendedores que estão com a “grana curta” e precisam urgentemente vender o carro — até porque um automóvel por si só representa uma série de despesas extras no final do mês.

“Para não dizer que a Fipe é completamente desnecessária quando falamos de uma realidade econômica que vivemos, as seguradoras se baseiam nela para avaliar suas coberturas e dosar as suas ofertas. Logo, vale dar uma conferida quando for escolher entre os carros usados , não muito pelo valor do modelo escolhido em si, mas para adiantar uma cotação sobre o quanto essas empresas te cobrariam pelo seguro”, completa.

LEIA MAIS: Hatches médios que menos desvalorizam: veja os 5 destaques

3- Quilometragem

Já que os outros anúncios são a maior referência-base, saiba que o quanto o seu carro já rodou é o primeiro e um dos maiores diferenciais para compor seu preço. Isso porque, à primeira vista, um carro pouco rodado sempre estará associado a um bom estado de conservação. Por isso, terá a moral de custar mais do que a média. “Vale salientar que isso é verdade até o momento em que um carro mais rodado estiver em melhores condições do que um menos rodado.

Durabilidade e futuros problemas que o carro virá a apresentar são 100% associados à manutenção regular e estados gerais de conservação. Logo, se tiver como provar o histórico de manutenções para reforçar a qualidade do seu carro, além da quilometragem baixa, poderá sim pedir um valor mais alto no mercado de usados ”, lembra o especialista.

LEIA MAIS: Picapes leves e intermediárias que menos desvalorizam no Brasil

4- Equipamentos

Outro item que pode gerar polêmica é o valor que o dono do carro investiu em equipamentos versus o que conseguirá recuperar na hora de vendê-lo.  Macedo alerta: “se os equipamentos forem de qualidade e de preferência vendidos com homologação da fabricante, o vendedor pode até conseguir um valor a mais, mas é praticamente impossível que empate, e menos ainda que supere o investimento”.

Logo,  a recomendação é que se retire tudo o que foi colocado para incrementar — seja equipamentos de som mais potentes, rodas não-originais e outros — porque eles terão mais valor para quem os colocou — do que para um comprador interessado — bem como, dependendo, se vendidos separadamente.

LEIA MAIS: Hatches compactos que menos desvalorizam no Brasil

5- Pendências

Também é importante que não haja pendências. Desde a sua documentação — se está em dia ou não — até se conta com antecedentes de furto, leilão e sinistros. “Tudo isso representa “sujeira” na documentação, que tanto ainda deverá ser cobrada do proprietário, quanto é fator limitante na hora de fazer um seguro, por exemplo. Por esses e outros motivos, comprador nenhum dará o mesmo valor pelo carro, mesmo que ele em si seja uma "mosca branca".

"Além do mais, vale lembrar que o dono do carro deverá deixar tudo muito bem claro. Assim, se for descoberta qualquer irregularidade, o comprador entrará com ação judicial e suas chances de ganhar serão altíssimas. Logo, será pior. Mentir é sempre pior”, diz Macedo.

LEIA MAIS: SUVs médios que menos desvalorizam no primeiro ano

6- Cor

Aspecto mais simples da lista, é relevante quando se leva em consideração que muitos atribuem extrema importância, o que interfere no valor de revenda do seminovo. O especialista lembra que existem alguns fatores que interferem na  venda de carro usado no mercado. E os que sempre atraíram mais em seus anos de experiência nunca eram os de fato mais chamativos por suas cores vibrantes, e sim os “branco-preto-prata”.

LEIA MAIS: Aceleramos o raro Fiat Coupé no Autódromo de Interlagos. Veja vídeo

“Ainda sim não dá para afirmar que carros dessas cores realmente valem mais se pensar só nesse quesito, mas contribuem para vender mais rapidamente. Ajuda para quem quer vender rápido, o que engloba inclusive todos os lojistas. As exceções são os carros de nicho, clássicos e outros que fogem do padrão, que por serem diferenciados, cores chamativas podem até contribuir para o oposto.”, conclui Macedo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.