Tamanho do texto

Conheça um pouco da "Annie", o besouro vermelho de 1967, pertencente a uma senhora que não vê o carro como sendo apenas um "Fusca"

VW Fusca é um exemplar único, com dona apaixonada pelo carrinho, que o vê como parte dela mesma
Divulgação
VW Fusca é um exemplar único, com dona apaixonada pelo carrinho, que o vê como parte dela mesma

A Volkswagen dos Estados Unidos restaurou completamente, e de graça, um VW Fusca 1967 que já rodou mais de 560 mil quilômetros com a sua primeira e única dona. Hoje com 73 anos, a americana Kathleen Brooks comprou o “besouro” em dezembro de 1966. E desde então roda com a “Annie”, como batizou o seu carro.

LEIA MAIS: Raro VW Fusca de 1964, quase sem uso, está à venda por US$ 1 milhão nos EUA

A Sra. Kathleen, que superou o câncer três vezes e atualmente trabalha com pacientes com câncer de mama, diz que ‘Annie’ teve uma grande importância durante essas cinco décadas de convivência. Isso porque não considera o seu VW Fusca vermelho apenas um carro. “Eu e ela somos muito parecidas. Ela está velha, cansada, amassada e enferrujada. Mas você sabe de uma coisa? Ela continua rodando. E enquanto eu cuidar dela da melhor maneira que eu puder, ela vai continuar rodando”, afirmou Kathleen antes da restauração.

LEIA MAIS: Hoje o Volkswagen Fusca é celebrado pelo seu dia internacional

A restauração do VW Fusca

Deu trabalho para a matriz mexicana da Volks, responsável pela última unidade do VW Fusca produzida do mundo
Divulgação
Deu trabalho para a matriz mexicana da Volks, responsável pela última unidade do VW Fusca produzida do mundo

A restauração de Annie ficou a cargo do pessoal da fábrica de Puebla (México), onde, em 2003, foi produzida a última unidade do Fusca original. Além de voltar ao estado de zero quilômetro,  o Fusca 67 ganhou uma série de modificações, como o motor com injeção eletrônica, freios a disco, um rádio retrô com bluetooth e um interior forrado totalmente em couro, como pode ser visto pela galeria acima.

LEIA MAIS: O valente VW Fusca que desbravou por duas vezes a Transamazônica

De acordo com a Volkswagen, após um trabalho que se estendeu por 11 meses, o Fusca de Kathleen teve 40% das suas peças substituídas e 357 itens originais restaurados (incluindo os adesivos que foram colocados na lataria e nos vidros em 51 anos de estrada). É dispensável afirmar que a maior preocupação da fábrica foi preservar a sua identidade, mas não do Fusca, e sim da Annie, além de trazer toda a modernidade que um exemplar batalhador como esse tem direito.

LEIA MAIS: VW Fusca Itamar turbinado chega perto dos 200 cv de potência

Em fim, o VW Fusca
Divulgação
Em fim, o VW Fusca "Annie" ficou pronto. E agora, a dona volta a cair na estrada para outra rodada de histórias

Como um Fusca conseguiu rodar tudo isso com apenas a manutenção básica? A genialidade da sua mecânica e seu apelo histórico se dão pelo seu desenvolvimento, durante a Segunda Guerra Mundial. O sistema de arrefecimento dos veículos militares alemães era a ar, para que, quando o exército estivesse em campanha em desertos e outros lugares com pouca água, não tivessem o problema de superaquecimento por falta dela. Tendo se mostrado bastante eficiente e barato em situações extremas, o trem de força foi muito bem recebido, inclusive para corridas no mundo todo.

LEIA MAIS: Que tal um Fusca Roadster? Veja video e fotos do curioso esportivo

O foi o modelo mais vendido em toda a história automotiva, com um total de 21.529.464 unidades produzidas entre 1938 e 2003. Para muitos, é um carro que ninguém pode deixar de dirigir pelo menos uma vez na vida. Em pouco tempo depois do lançamento, seu nome ganhou inúmeras variantes, como Beetle, Bug, Käfer, Type 1, Carocha, Coccinelle, Escarabajo, Maggiolino e outros. Ou seja, mesmo que a Itália tenha o Fiat 500, o Reino Unido o Mini Cooper e a França o Citroën 2CV , o mundo todo tem o VW Fusca .