Tamanho do texto

A novíssima Honda CB 1000R NSC não é uma motocicleta retrô. Confira a avaliação e saiba mais detalhes do modelo da marca japonesa

Honda CB 1000R com vegetação ao fundo
Divulgação
O farol redondo da Honda CB 1000R reúne o DRL com dois projetores retangulares de leds

Vamos novamente falar sobre motocicletas de estilo retrô? Quase isso. O estilo de modelos como a Honda CB 1000 R Neo Sports Café que já há algum tempo está “fazendo a cabeça” de muitos novos motociclistas está cada vez mais presente, em quase todas as marcas de motocicletas disponíveis no Brasil.

LEIA MAIS: Kawasaki Ninja ZX-6R 2019: projetada para o máximo de desempenho

Eu digo “novos” motociclistas pelo fato de que nós, os mais antigos, que vivemos o estilo dos faróis redondos quando eles ainda eram comuns a todos os modelos, jamais deixaremos de gostar dessas velhas senhoras. Pilotamos forte com as modernas esportivas e streetfighters , mas desfilamos com vagar e classe com as legítimas anos 70. E é justamente nesse ponto da conversa que entra a novidade mais aguardada para este ano, a Honda CB 1000R Neo Sports Café. Estilo retrô?

Quase isso. Voltando só um pouco no tempo, quem visitou o último Salão Duas Rodas, em São Paulo, em 2017, surpreendeu-se com duas dignas representantes do estilo retrô, a Kawasaki Z900RS, que encarnou com maestria a imagem da primeira super motocicleta de quatro tempos da marca, a Z1 (a.k.a. Z900) de 1972, e a sua presumível rival Honda CB 1100RS, ambas fiéis aos anos 70, apesar do monobraço da Kawa e do tanque modernoso da Honda.

A Z900RS veio, inclusive com uma versão café, mas a Honda mudou de planos. Ao invés de importar a bela CB 1100EX, ainda mais retrô do que a CB 1100RS , resolveu produzir por aqui, na fábrica de Manaus, AM, a Honda CB 1000R Neo Sports Café. Não, definitivamente, a CB 1000R NSC não é uma motocicleta retrô. Nem uma café racer .

LEIA MAIS: Ducati SuperSport S, para viajar ou para acelerar

Quando conheci a CB 1000R, fiquei realmente com aquela ideia de uma café racer retrô, mas, observando melhor e, principalmente, pilotando-a, descobri que se trata de uma autêntica naked streetfighter, com itens super atuais que quase a equiparam a modelos como a Kawasaki Z1000 . O que nos leva ao engano? O farol redondo, que nada mais é que uma moldura circular, com DLR (Daytime Running Light) envolvendo dois projetores retangulares de leds, perfeitamente definidos. E é só.

Honda CB1000R é uma moto bem disposta

Honda CB 1000R e o jornalista Gabriel Marazzi
Divulgação
A Honda CB 1000R NSC é compacta mas oferece boa posição de pilotagem

 Mas não me julguem mal, e precipitadamente, por estar me referindo desse modo a essa motocicleta. A Honda CB 1000R NSC é uma excelente motocicleta, cheia de vigor e personalidade, e dotada de muitos, mas muitos itens de modernidade. Vamos a eles.

O motor, um quatro cilindros em linha DOHC de 998 cm 3 , derivado do motor da superesportiva CBR 1000RR Fireblade, com potência de 141,4 cv, em regimes muito altos de rotação (10.500 rpm), e com torque de 10,2 kgfm a 8.000 rpm, é super atual, refrigerado a água e com acelerados eletrônico e quatro modos de pilotagem, com três níveis de potência, freio-motor e controle de tração, tudo selecionado eletronicamente por um comando no punho esquerdo do guidão.

O escapamento é complexo, com quatro catalisadores e duas câmaras, que fazem um jogo de pressão de gases favorecendo o torque em médias rotações. Na ponteira pode-se ver as duas saídas, para alta e baixa pressão.

LEIA MAIS: Kawasaki Ninja 400, a pequena grande motocicleta esportiva

A Honda CB 1000R é compacta, graças ao quadro tubular de aço do tipo diamante, com o motor fazendo parte da estrutura, e viga superior única. A balança monobraço traseira de alumínio a ele vai fixada, em um sistema ao mesmo tempo super moderno e muito belo. Os amortecedores Showa são totalmente reguláveis, com a suspensão dianteira assimétrica de garfo invertido, ou seja, em uma bengala se regula a pré-carga da mola, na outra o amortecimento hidráulico.

Honda CB 1000R rodando em dia de chuva
Divulgação
Na chuva, o modo de pilotagem “rain” garante fornecimento mais linear de potência da Honda CB 1000 R

Se você esperava em uma motocicleta retrô dois copos separados para abrigar os principais mostradores do painel de instrumentos, o cluster da CB 1000R está bem longe disso. Talvez seja o que ela tem de mais moderno: um display digital com todas as funções possíveis, incluindo o contagiros de mostrador analógico.

Esse painel inclui sistemas complexos, de difícil entendimento à primeira tentativa, como a linha multi-cores que vai alternando as cores dependendo da marcha engatada, da rotação e do modo de pilotagem. Não me ative a essa particularidade, talvez em uma avaliação posterior mais longa eu aprenda a ajustar e usar decentemente esses controles.

LEIA MAIS: Enfim, as novas Honda CBR 1000RR Fireblade. Confira avaliação

Os dois dias de viagem com a moto, no entanto, me passaram mais o “feeling” da pilotagem, mesmo debaixo de uma chuva torrencial que não me permitiu sentir com precisão as várias reações em curvas, de acordo com os modos de pilotagem.

Painel de instrumentos da Honda CB 1000R NSC
Divulgação
O painel de instrumentos é o que a CB 1000R tem de mais moderno, com mostradores digitais de boa resolução

Apesar de curta, a CB 1000R é confortável e permite uma boa posição de pilotagem, com o banco do piloto rebaixado e as pedaleiras recuadas. Acredito que uma pessoa na garupa, principalmente de maior estatura, não vai se sentir à vontade. A rabeta parece solta na traseira da moto, em uma solução estética corriqueira nos dias de hoje que fixa o para-lama traseiro e o suporte de placa no monobraço. Se possível, eu faria na minha CB 1000R um retorno à normalidade visual, recolocando o suporte de placa no sub-quadro traseiro.

A ideia da CB 1000R surgiu de um conceito apresentado há alguns anos, o CB4, que tinha muito mais de café em seu estilo e estava mais para uma motocicleta de corridas. O visual da nova Honda CB 1000R NSC, no entanto, certamente vai conquistar corações e mentes daqueles que seguem o estilo ousado das motocicletas “diferentes”.

LEIA MAIS: O momento da Triumph Bonneville Bobber. Confira detalhes na avaliação

As cores disponíveis são a vermelha e a preta, com preço de R$ 58.690. A Honda CB 1000R tem assistência 24 horas em países da América do Sul e garantia de três anos sem limite de quilometragem.