Tamanho do texto

Das 15 motos que mais gostei, faltava mostrar a número 1, a Multistrada Enduro. Veja o que faz dela uma moto tão especial

Ducati Multistrada
Guilherme Marazzi
A Ducati Multistrada Enduro é grande e imponente, porém bastante dócil

A Ducati Multistrada pode ser considerada uma motocicleta radical, pelo nível de desempenho que oferece ao piloto, mas a versão Enduro da família é ainda mais do que isso. A Ducati Multistrada Enduro já está em nosso mercado há bastante tempo, foi apresentada aqui em 2016, e eu sempre olhava para ela com aquele respeito que seu tamanho exige. Mas ainda não havia tido a oportunidade de experimentá-la. Não há como esconder que gostei demais da motocicleta, tanto é que ela passou a ser a número um do Top 15.

LEIA MAIS: O Top 15 da Cultura da Motocicleta

Derivada da big trail Ducati Multistrada 1200, que foi criada em 2010 e, como o próprio nome já informa, trata-se de uma motocicleta multiuso, com uma enorme pegada de estrada, a Enduro foi pensada mesmo para o fora de estrada, com muitas alterações de várias ordens de grandeza.

Como é o caso das pedaleiras mais largas e dentadas, das rodas raiadas de 19 polegadas na dianteira e 17 polegadas na traseira e suspensões com curso de 200 mm, do tanque de combustível com 10 litros adicionais e da mais importante delas, a adoção da balança traseira convencional, super reforçada, no lugar do elegante monobraço da Multistrada da qual deriva.

LEIA MAIS: Chegou a nova Royal Enfield Himalayan

Hora de guiar

Ducati Multistrada
Guilherme Marazzi
As rodas raiadas da Ducati Enduro permitem o uso de pneus sem câmera

Montar na motocicleta já é o primeiro desafio: ela deve estar bem apoiada em um local plano e nunca se deve esquecer das enormes malas de alumínio que fazem parte de seu equipamento. O banco está a uma altura de 890 mm, alto o suficiente para exigir muito cuidado em manobras com a moto parada, mas ideal quando se está em movimento, pois fornece ótima agilidade na condução e excelente posição de pilotagem.

E essa foi a minha primeira impressão: com todo esse tamanho, os primeiros quilômetros com ela, mesmo em uma estreita e movimentada avenida de São Paulo, me mostraram perfeito domínio, apesar dos mais de 150 kg de peso e das malas que eu fiz questão de colocar antes de sair. Ela é ao mesmo tempo dócil e muito agressiva.

LEIA MAIS: Três motocicletas que atraem a atenção de todos

Ducati Multistrada
Guilherme Marazzi
Excelente posição de pilotagem. O parabrisa tem duas posições de altura

Em relação à largura da Enduro com as malas, diferentemente das big touring como uma Harley, por exemplo, a Ducati Multistrada 1200 Enduro é estreita na frente, de forma que onde passa a frente não passa a traseira. Jamais podemos esquecer que as malas estão lá atrás, sob o risco e o vexame de ficar entalado entre dois carros.

Bem, o lugar da Ducati Multistrada 1200 Enduro não é mesmo o trânsito urbano, apesar da enorme diversão que é rodar com ela por aí. Cuidado só com os radares de velocidade, implacáveis para uma motocicleta que acelera tão rapidamente. E esse é um de seus problemas: as respostas do motor empolgam e ele trabalha bem melhor em altos giros, o que incita a acelerar.

LEIA MAIS: Quando as big trail se divertem em um autódromo

Ducati Multistrada
Guilherme Marazzi
As malas de alumínio levam 85 litros. Cabe até um capacete grande

O motor da big trail é o Testastretta DVT – Desmodromic Variable Timing – de dois cilindros em “V” a 90 graus, ou, como também é chamado, em “L”, com cilindrada de 1.198 cm3, 160 cv de potência e 13,9 kgfm de torque, números de motocicleta esportiva .

A Ducati Enduro é recheada de eletrônica, a começar pelos quatro modos de pilotagem, Urban, Enduro, Touring e Sport. No Enduro, apenas 100 cv são liberados, com o controle de tração desligado, assim como o controle de wheeling, e com ABS apenas no freio dianteiro. As suspensões entram no modo macio. No modo Urban, também com 100 cv, entram as intervenções do controle de tração e wheeling e as suspensões ficam mais firmes.

LEIA MAIS: Honda CB 1000R Neo Sports Café: aceleramos o modelo com mais de 140 cavalos

Ducati Multistrada
Guilherme Marazzi
Painel da Ducati Multistrada Enduro, logo que se liga a parte elétrica

A posição Touring libera os 160 cv, mas de forma progressiva, enquanto que o modo Sport despeja a potência total com muito vigor, com baixa intervenção dos controles eletrônicos, e com a suspensão no modo mais firme. Os modos podem ser trocados com a moto em movimento, apenas um aviso no painel pede para que o acelerador seja fechado.

O painel de instrumentos é de TFT, tecnologia de celular, com adaptação automática dia/noite, e com conectividade com o celular, permitindo inclusive registrar tudo o que acontece em uma aventura, até o compartilhamento com amigos.

LEIA MAIS: Harley-Davidson CVO Road Glide encara passeio de fim de semana

Ducati Multistrada
Guilherme Marazzi
Painel completo de TFT, com Bluetooth e mudança automática dia/noite

A Ducati Multistrada 1200 Enduro disponível no Brasil é a versão Limited Edition, exclusiva para nosso mercado, e que já vem com os dois pacotes de acessórias anteriormente opcionais, o kit Touring, composto das duas malas de alumínio de 85 litros, manoplas aquecidas e bolsa de guidão, e o kit Enduro, composto de faróis auxiliares, protetores de motor, radiador, disco de freio e correia. Com tudo isso, o preço é alto, R$ 97.900, mas o bolso para de doer quando a Ducati Enduro mostra todas as suas qualidades. Foi por esse motivo que a elegi a número 1 das Top 15 desta coluna.