Tamanho do texto

Estes são os modelos "eco-friendly" que poderão ocupar uma vaga na sua garagem até o ano que vem. Há modelos que fazem até 22 km/l de gasolina

Algumas cooperativas de São Paulo e Rio de Janeiro receberam unidades do Toyota Prius em suas frotas de carros em 2013
Divulgação
Algumas cooperativas de São Paulo e Rio de Janeiro receberam unidades do Toyota Prius em suas frotas de carros em 2013

Enquanto cortava São Paulo numa manhã caótica para chegar ao trabalho - uma rara ocasião no banco do passageiro - tive a oportunidade de conversar com um taxista que já utilizou o Toyota Prius entre os carros de sua cooperativa para exercer a atividade, por dois anos. Apesar de estarmos  a bordo de um sedã Renault Logan, o homem demonstrava sentir muita saudade do híbrido japonês. Aquilo realmente chamou atenção, e ficou na minha cabeça.

LEIA MAIS: Toyota revela Corolla híbrido no Salão de Pequim (China)

Ele contou sobre uma viagem que fez a uma cidade no interior de São Paulo. Encheu o tanque e saiu para curtir o fim de semana com sua família. No retorno, decidiu completar o tanque do híbrido outra vez para mais uma semana de trabalho, e se surpreendeu quando gastou apenas R$ 20 para reabastecer. Isso o fez pensar sobre o futuro dos carros híbridos no Brasil.

LEIA MAIS: Fiat Toro Blackjack: o lado negro da força

“Se eu tivesse grana, compraria um sem pensar” disse o taxista. “Sei que o Prius custa mais ou menos a mesma coisa que o Corolla topo de linha. É um carro muito confortável, com eficiência de outro mundo”. De fato, o companheiro estava certo. A diferença entre o Corolla Altis e o Prius é quase irrelevante, levando em consideração alguém que tenha caixa suficiente para comprar um carro entre R$ 120 mil e R$ 130 mil.

LEIA MAIS: Vazam fotos do Volkswagen Tarek, futuro rival do Jeep Compass no Brasil

O homem ficou surpreso quando contei que o preço de manutenção e seguro do Prius também está de acordo com o valor cobrado pelo Toyota Corolla, ou que seu coeficiente aerodinâmico é um dos melhores da história. No ano passado, tive a oportunidade de passar um tempo com o híbrido. O resultado você pode conferir na avaliação que escrevemos, com todos os detalhes sobre a razão pela qual trocar o Corolla pelo Prius.

LEIA MAIS: Toyota Prius 2018: como anda o seu primeiro carro híbrido no Brasil?

Uma boa notícia para aqueles que não têm medo de apostar na eletrificação é que as fabricantes estão cada vez mais investindo no segmento de carros híbridos e elétricos. Felizmente, não estamos falando de estudos, mas de investidas de consolidação. Partindo da boa conversa com o taxista, a reportagem de iG Carros lista cinco carros híbridos e elétricos que serão vendidos no Brasil até 2019.

1 - Nissan Leaf

Nissan Leaf: após feedback de taxistas, ele será vendido oficialmente no Brasil a partir do ano que vem
Divulgação
Nissan Leaf: após feedback de taxistas, ele será vendido oficialmente no Brasil a partir do ano que vem

Alguns taxistas de São Paulo e do Rio de Janeiro tiveram a oportunidade de dirigir a antiga geração do Leaf por alguns anos. A Nissan colheu os feedbacks e passou para a central japonesa. Dessa forma, teremos um Leaf mais “tropicalizado” no mercado quando ele for vendido oficialmente nas concessionárias. E isso já tem data pra acontecer: março de 2019.

LEIA MAIS: Como anda o VW Tiguan Allspace, novo SUV de sete lugares

“A mesma tecnologia que existe fora do Brasil precisa estar em nosso País”, disse Marco Silva, presidente da Nissan. “Acreditamos que eletrificação veio para ficar, e o Brasil não pode ficar excluído do que está acontecendo no resto do mundo. O Nissan Leaf tem potencial em nosso mercado, e nós não queremos que ele seja um carro de nicho”.

LEIA MAIS: Relembre 5 carros que saíram de linha no Brasil, mas continuam em outros países

O planejamento para a chegada do modelo está bem encaminhado. A Nissan já adiantou que oferecerá oito anos de garantia para a bateria do Leaf, mas ficou devendo preço e versões.Em sua nova geração, o Nissan Leaf surge com uma bateria de 40 kWh, proporcionando autonomia de 240 km. Há também a opção de 60 kWh, que chega aos 320 km de capacidade. Sua potência fica na casa dos 149 cv, com 32,6 kgfm de torque.

2 - Volkswagen Golf GTE/e-Golf

Volkswagen e-Golf: trata-se da versão elétrica. Mas o híbrido GTE é capaz de fazer até 22 km/l de gasolina, diz a fabricante
Divulgação
Volkswagen e-Golf: trata-se da versão elétrica. Mas o híbrido GTE é capaz de fazer até 22 km/l de gasolina, diz a fabricante

A Volkswagen trará as novas gerações do híbrido Golf GTE e o elétrico e-Golf para o Brasil. Quem fez o anúncio foi o próprio presidente da marca durante a apresentação do Virtus, no fim do ano passado.O executivo foi breve em sua declaração, e não especificou preços ou expectativas de venda. Apesar do nome, o VW Golf GTE é uma variação híbrida do modelo convencional, equipado com motor 1.4 TSI. O carro desenvolve 201 cv de potência, sendo aproximadamente 50 cv apenas do propulsor elétrico.

LEIA MAIS: Mercedes-Benz GLA x Volvo XC40: confronto entre SUVs premium

O e-Golf, por sua vez, é 100% elétrico. O carro desenvolve 136 cv e pode chegar aos 137 km/h. Sendo o modelo mais econômico da linha Golf, a Volkswagen declara que a versão elétrica pode atingir 300 km de autonomia. E que o híbrido GTE é capaz de fazer até 22 km/l de gasolina. As versões e-Golf e GTE fazem parte da estratégia da Volkswagen de lançar vinte carros novos no mercado brasileiro até 2020. O investimento em carros ecológicos também contribui para a renovação da imagem da VW, que esteve envolvida no caso de fraude no relatório de emissões conhecido como "Dieselgate".

3 - Chevrolet Bolt

Chevrolet Bolt: um hatch elétrico com cara de monovolume. Destaque para a tecnologia embarcada
Caue Lira/iG
Chevrolet Bolt: um hatch elétrico com cara de monovolume. Destaque para a tecnologia embarcada

Ele esteve em nossa redação há alguns meses, e deixou todos muito surpresos por toda a tecnologia embarcada. Não resisti, e acabei levando o Bolt pra casa sob os olhares curiosos de todas as pessoas na rua. Você já imaginou como é acelerar e frear no mesmo pedal? É exatamente isso que ele faz, aproveitando a desaceleração das frenagens (ou a energia cinética que é perdida em carros convencionais) para recarregar a bateria.

LEIA MAIS: Mini Countryman JCW: diversão tamanho família

Ainda restavam algumas dúvidas sobre ele. Por exemplo, o quanto de bateria conseguiria carregar em uma descida. Levo o Bolt para a Vila Madalena, bairro conhecido pela quantidade de ladeiras, e deixo-o “despencar” no modo de recarga. Em 300 metros de descida, o Bolt foi capaz de regenerar dois quilômetros de autonomia. Ótimo número, não?

LEIA MAIS: Fiat Cronos Drive 1.3 é a versão mais equilibrada do sedã

Conforme a fabricante, o Bolt pode rodar, em média 383 quilômetros até precisar de recarga. Mas isso pode aumentar bastante conforme o modo de direção selecionado, o trajeto, a temperatura ambiente entre uma série de coisas. Pouco se sabe sobre a abordagem da GM sobre o novo Bolt. É dado como certo que o carro será vendido no Brasil. Mais uma vez, os planos de uma montadora esbarram no atraso do Rota 2030, que deve ser aprovado pelo governo federal nas próximas semanas.

4 - Toyota Prius Flex

Toyota Prius:o mais econômico do Brasil (18,9 km/l na cidade), representando uma economia de cerca de R$ 3.600/ano.
Divulgação
Toyota Prius:o mais econômico do Brasil (18,9 km/l na cidade), representando uma economia de cerca de R$ 3.600/ano.

Achou que o Prius ficaria de fora da nossa lista? O híbrido mais vendido do Brasil está sendo testado com uma nova motorização híbrida flex, já que os carros brasileiros também gostam de beber etanol. A Toyota tem esperança de que o modelo será lançado o quanto antes como o carro híbrido mais limpo do mundo. Atualmente, o Prius é movido apenas a gasolina.

LEIA MAIS; Chevrolet Onix Activ surpreende pelo baixo consumo de combustível

A Toyota está confiante. No ano passado, o Prius chegou a vender mais que o hatch médio Volkswagen Golf, mas os executivos não pretendem trocar os pés pelas mãos, uma vez que o objetivo atual da marca japonesa no Brasil é bem claro: consolidar o Yaris. Além do Prius, também há a possibilidade da marca apostar em um carro híbrido mais barato e menor.

LEIA MAIS: Citroën C4 Lounge: sedã se renova para brigar contra rivais

Vendido nos Estados Unidos e Japão, o chamado Prius C é feito sob a mesma plataforma do Yaris. Isso poderia facilitar sua produção no Brasil, o que ainda não foi confirmado pela marca japonesa.

5 - Jaguar I-Pace

Jaguar I-Pace:  primeira aposta da Jaguar no segmento de elétricos, deverá ser mostrado no Salão do Automóvel
Divulgação
Jaguar I-Pace: primeira aposta da Jaguar no segmento de elétricos, deverá ser mostrado no Salão do Automóvel

O primeiro carro elétrico da história da Jaguar é um dos modelos que podem pintar pelo Salão do Automóvel de São Paulo, entre 8 de 18 de novembro. Ele é menor que o F-Pace e concorrerá com o Tesla Model X no resto do mundo. Por aqui, seu único rival direto seria o Porsche Cayenne híbrido.

LEIA MAIS: Mercedes-Benz C300 Sport: sedã esportivo e equilibrado

Entre os carros que chegarão até 2019, o I-Pace é equipado com dois motores elétricos, um no eixo dianteiro e outro no traseiro, ambos alimentados por uma bateria de íon-lítio de 90 kWh, que entregam um total de 400 cv e um torque instantâneo de 71,4 kgfm. Segundo a fabricante, o I-Pace consegue ir de zero a 100 km/h em meros 4,8 segundos, além de fazer até 480 km sem qualquer recarga.

A Jaguar ainda não confirmou quando o I-Pace chegará ao mercado, mas o SUV já ganhou até um configurador no site. Ficamos na expectativa, não apenas por ser o primeiro carro elétrico da Jaguar, mas também pelo que ele poderia representar pelo lado da Land Rover.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.